Publicado em Deixe um comentário

ADVOGADA E MÃE NEUTRALIZAM GOLPE POR CHAMADA DE VÍDEO

Recentemente, um caso de tentativa de golpe virtual destacou a importância da cautela ao lidar com tecnologia e comunicações online. Uma advogada criminal e sua mãe escaparam por pouco de uma armadilha sofisticada, que visava extorquir dinheiro através de uma ligação de vídeo falsa. No incidente ocorrido em Brasília, a mãe recebeu uma chamada de vídeo que aparentava ser da filha, solicitando um empréstimo de R$ 600. No entanto, vários detalhes levaram a mãe a desconfiar da autenticidade da chamada: a vestimenta da suposta filha não correspondia ao que ela estava usando anteriormente, a conta para transferência do valor era de uma terceira pessoa, e a voz na ligação não estava sincronizada com os movimentos labiais.

A mãe, também advogada, agiu com astúcia ao fazer perguntas específicas que somente sua filha verdadeira poderia responder, revelando assim a fraude. Este incidente ressalta a importância de permanecer vigilante diante de tentativas de golpes virtuais, especialmente em um cenário onde a sofisticação dos métodos utilizados pelos criminosos está em constante evolução.

A advogada em questão atribuiu sua habilidade em evitar o golpe à sua experiência profissional e à sua postura cautelosa em relação à tecnologia. Ela compartilhou estratégias que utiliza para se proteger, como questionar mensagens suspeitas e estar sempre alerta para sinais de fraude. Sua atitude proativa reflete a necessidade crescente de conscientização e preparação contra crimes cibernéticos.

A falta de evidências gravadas pode complicar a comprovação de tentativas de fraude como essa, destacando a importância de buscar maneiras de documentar e relatar tais incidentes para as autoridades competentes. Este caso serve como um alerta para a necessidade de vigilância constante e educação sobre segurança digital em um mundo cada vez mais conectado.

Publicado em Deixe um comentário

COMO SE PROTEGER CONTRA O GOLPE DO FALSO EMPREGO

Evitar cair em golpes é uma preocupação constante, especialmente em um cenário onde os fraudadores se aproveitam da busca por empregos ou oportunidades de renda extra. O “golpe do falso emprego” tem se tornado cada vez mais comum, com criminosos utilizando aplicativos e redes sociais para atrair vítimas com a promessa de ganhos fáceis e rápidos.

Geralmente, os golpistas oferecem remuneração em troca de tarefas simples na internet, como curtir fotos, fazer comentários e seguir contas de empresas e lojistas nas redes sociais. Sob a falsa pretensão de trabalhar para uma empresa de marketing digital, as vítimas são inseridas em grupos de mensagens onde realizam essas tarefas, inicialmente recebendo pagamentos em pequenos valores para gerar credibilidade.

No entanto, o golpe se revela quando os golpistas solicitam pagamentos adiantados para participação em determinadas tarefas, prometendo reembolsá-los no mesmo dia. Esses valores pré-pagos são consideravelmente mais altos, e muitas vezes as vítimas são convencidas a continuar no esquema pelos comprovantes de pagamento recebidos por outros participantes.

A situação se agrava quando, após o pagamento adiantado, os golpistas desaparecem, bloqueando as vítimas dos grupos de mensagens e deixando-as com prejuízos financeiros significativos.

Para se proteger contra esse tipo de golpe, é essencial desconfiar de propostas de trabalho que exijam pagamento antecipado, não acreditar em promessas de ganhos exagerados e jamais depositar dinheiro em contas desconhecidas para garantir oportunidades de emprego ou negócios. Além disso, é importante verificar a autenticidade das mensagens recebidas e buscar informações sobre possíveis golpes em redes sociais.

As instituições bancárias também desempenham um papel crucial na prevenção de golpes, investindo em campanhas educativas e sistemas de segurança da informação para proteger seus clientes de atividades fraudulentas. Em parceria com as autoridades policiais, os bancos trabalham para identificar e punir os criminosos virtuais responsáveis por esses golpes.

Publicado em Deixe um comentário

CRIPTOGRAFIA REMOTA E SEGURANÇA DIGITAL: ENFRENTANDO A NOVA ONDA DE ATAQUES CIBERNÉTICOS

A segurança cibernética está enfrentando novos desafios em um ritmo acelerado, especialmente com o surgimento e a rápida evolução do ransomware remoto. Este tipo de ataque, que registrou um aumento impressionante de 62% desde 2022, explora vulnerabilidades em endpoints para criptografar dados em redes inteiras. O que torna este método particularmente alarmante é a sua eficiência: um único dispositivo desprotegido pode ser a porta de entrada para comprometer toda uma rede corporativa.

Este método de ataque, embora complexo, é caracterizado pela sua discrição. Os cibercriminosos executam todo o processo de invasão e criptografia a partir de um único ponto comprometido, deixando poucos vestígios. Esse aspecto torna o ransomware remoto atraente para os criminosos, devido à sua capacidade de escalar rapidamente e afetar grandes redes, independentemente das medidas de segurança existentes nos outros dispositivos.

A natureza remota e indireta deste tipo de ransomware representa um desafio significativo para as estratégias tradicionais de segurança cibernética. Os métodos convencionais de detecção de ransomware muitas vezes falham em identificar esses ataques, já que eles não se manifestam diretamente nos dispositivos protegidos.

No entanto, as organizações não estão indefesas diante dessa ameaça. Uma das medidas mais eficazes é a adoção de ferramentas de segurança que se concentram na análise e monitoramento de arquivos. Essas soluções examinam documentos em busca de sinais de manipulação ou criptografia, o que permite a detecção precoce de atividades maliciosas. Ao focar nos arquivos, é possível reduzir o poder dos invasores e aumentar a dificuldade e o custo de suas operações.

Além disso, uma abordagem abrangente de segurança para endpoints é essencial. Isso inclui não apenas a implementação de soluções avançadas de defesa, mas também a educação contínua dos funcionários sobre a importância dessas medidas. A conscientização pode desempenhar um papel crucial na prevenção de ataques, pois os colaboradores informados são menos propensos a cair em armadilhas cibernéticas.

As empresas também devem considerar a adoção de um modelo de segurança em camadas. Isso pode incluir backups regulares, sistemas de detecção e resposta a incidentes, gerenciamento de superfícies de ataque e autenticação robusta. A implementação de uma abordagem de Zero Trust e a segmentação de rede são outras estratégias valiosas que podem fortalecer a postura de segurança de uma organização.

Em resumo, o cenário de segurança cibernética está em constante evolução, com os atacantes desenvolvendo novas táticas e as organizações de defesa aprimorando suas ferramentas e conhecimentos. A luta contra o cibercrime é incessante, mas com a conscientização adequada, estratégias eficazes e a implementação de tecnologias avançadas, é possível não apenas se defender contra essas ameaças, mas também antecipá-las.

Publicado em Deixe um comentário

COMO POSSO PROTEGER MEUS DADOS PESSOAIS DURANTE A TEMPORADA DE FESTAS?

À medida que o ano se aproxima do fim, com o 13º salário sendo depositado nas contas e as férias se iniciando, a atmosfera de compras natalinas acelera. Este cenário vibrante, infelizmente, também se torna um terreno fértil para golpes digitais. Os estelionatários, sempre à espreita, aproveitam-se deste período de maior distração e vulnerabilidade para executarem suas fraudes. É um fato preocupante que aproximadamente 75% dos golpes ocorram nesse período, incluindo furtos e roubos de dispositivos móveis, onde o dano depende do acesso que o criminoso consegue aos dados do aparelho.

Neste contexto, a precaução mais eficaz é manter o celular ‘limpo’. Como o smartphone é frequentemente o principal alvo dos golpistas durante as festas de fim de ano, adotar medidas básicas de segurança pode prevenir muitos incidentes. Como especialista em direito digital e presidente da Associação de Defesa de Dados Pessoais e Consumidor, eu aconselho a limpeza regular do dispositivo. Isso significa excluir tudo o que não é essencial para o uso diário. Por exemplo, questione a necessidade de manter centenas de fotos armazenadas ou informações de documentos e cartões bancários no dispositivo. Realizar backups e apagar esses dados pode reduzir significativamente o risco de acesso indevido.

Além disso, é prudente reavaliar a necessidade de múltiplos aplicativos bancários. Mantenha no celular apenas o essencial, e, se for sair e não planeja usar esses apps, considere desinstalá-los temporariamente, podendo reinstalá-los depois. Outra dica importante é limitar o armazenamento de senhas no aparelho. Anote-as em um local seguro e separado do seu dispositivo móvel. Embora essas medidas específicas sejam cruciais, não se deve esquecer de seguir outras práticas padrão de segurança digital para garantir uma temporada festiva sem o aborrecimento de lidar com fraudes e outros crimes relacionados.

Publicado em Deixe um comentário

DEMÊNCIA DIGITAL: OS EFEITOS DO USO EXCESSIVO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS

A era digital trouxe consigo um aumento exponencial na conectividade, transformando a maneira como interagimos com o mundo ao nosso redor. O Brasil, em particular, se destaca nas estatísticas globais, com um aumento significativo na proporção de brasileiros conectados, atingindo 84,3% em 2023, de acordo com o relatório Digital 2023: Brazil, da We Are Social em parceria com a Meltwater. No entanto, esse aumento na conectividade não vem sem consequências, e um dos desafios é a chamada “Demência Digital”.

O que exatamente é a Demência Digital? O termo foi cunhado por especialistas coreanos que estudam o impacto do uso excessivo de dispositivos eletrônicos desde a década de 1990. Esse fenômeno descreve a deterioração progressiva das funções e habilidades cognitivas dos indivíduos devido a um desequilíbrio no desenvolvimento entre o hemisfério esquerdo e direito do cérebro. Pesquisas apontam que o cérebro de pessoas viciadas em smartphones e jogos online sofre um comprometimento significativo no lado direito, onde se concentram áreas relacionadas ao foco e memória, aumentando o risco de demência a longo prazo.

Esses prejuízos afetam pessoas de todas as idades, mas são particularmente críticos em crianças e jovens, uma vez que o cérebro humano só atinge sua maturidade funcional por volta dos 23 anos. A atrofia cerebral resultante pode ter sérias repercussões na capacidade de concentração e formação de memórias, que são fundamentais para o aprendizado. Além disso, o excesso de tempo de tela também afeta a socialização, pois o ser humano é inerentemente um ser social. Quando as pessoas se restringem ao mundo digital, podem perder a capacidade de empatia e de lidar com suas próprias emoções e as dos outros.

É importante destacar a necessidade de limitar o uso diário e diversificar os estímulos que promovem o desenvolvimento cerebral, especialmente em crianças. Seguindo as diretrizes da Sociedade Americana de Pediatria, crianças menores de 6 anos não devem usar telas, dada a elevada probabilidade de comprometimento cerebral.

No ambiente corporativo, a demência digital também se faz presente, afetando habilidades cognitivas essenciais para o desempenho profissional, como foco, concentração e aprendizado. Empresas são encorajadas a conscientizar seus colaboradores sobre os riscos para a saúde física e mental, bem como a criar espaços que promovam experiências sensoriais diversas e a interação social, para mitigar os danos causados pelo excesso de telas.

A Demência Digital é um desafio emergente que afeta indivíduos de todas as idades e, se não for abordada de forma adequada, pode ter consequências significativas na saúde mental e cognitiva. Portanto, a conscientização e a mudança de comportamento são essenciais para enfrentar esse problema crescente em nossa sociedade digital.

Publicado em Deixe um comentário

O GESTUAL DE ‘PAZ E AMOR’ NAS FOTOS PODE COMPROMETER SUA SEGURANÇA DIGITAL, ALERTAM PESQUISADORES JAPONESES

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é image.png

Uma descoberta do Instituto Nacional de Informática do Japão trouxe à tona preocupações sobre a segurança digital em tempos de compartilhamento frequente de fotos em redes sociais. Os pesquisadores, liderados pelo Professor Isao Echizen, revelaram que o icônico gesto de “paz e amor”, tão popular entre os japoneses em suas imagens, poderia inadvertidamente expor suas digitais a invasões cibernéticas.

Em uma entrevista ao jornal japonês Sankei Shinbum, o Professor Echizen explicou que a simples ação de fazer esse sinal em frente a uma câmera comum poderia resultar na exposição ampla das digitais do fotografado. A equipe conseguiu copiar informações biométricas dos dedos de indivíduos em uma foto tirada a uma distância de até três metros. Isso significa que mesmo com um smartphone comum, contanto que as condições de foco e iluminação estejam adequadas, essa vulnerabilidade poderia ser explorada.

As implicações desse risco são substanciais, considerando que os sensores de digitais são agora comuns em caixas eletrônicos, portas de segurança e smartphones, sendo utilizados como meio de acesso.

No entanto, a equipe do Professor Echizen não apenas identificou o problema, mas também está trabalhando ativamente em uma solução inovadora. Eles estão desenvolvendo uma película fina feita de óxido de titânio, que, quando aplicada, protegerá as digitais de ficarem visíveis nas fotos, ao mesmo tempo em que permitirá o uso de dispositivos de tela sensível ao toque. A previsão é que essa tecnologia de proteção esteja disponível dentro dos próximos dois anos.

Diante dessa descoberta, a conscientização sobre a segurança digital e a proteção das informações biométricas tornam-se essenciais. Como ressaltou o Professor Echizen, essa ameaça potencial supera até mesmo a preocupação com senhas, uma vez que as informações biométricas são imutáveis ao longo da vida. Portanto, entender esses riscos e adotar medidas de precaução torna-se importante para garantir a segurança de nossas informações pessoais em um mundo cada vez mais conectado.