Publicado em Deixe um comentário

COMO O ESG ESTÁ REDEFININDO O SUCESSO CORPORATIVO

A adoção dos critérios ESG (Ambiental, Social e Governança) tem se tornado um imperativo para as empresas contemporâneas, marcando uma nova era na gestão empresarial. Segundo estudos recentes da PwC, espera-se que até 2026, os investimentos corporativos em ESG cresçam em média 12,9% anualmente, alcançando um montante global de US$ 33,9 trilhões.

No Brasil, essa tendência também é notável, com 86% das empresas de maior faturamento já comprometidas com esses princípios. O ESG deixou de ser apenas um conjunto de métricas para avaliação de desempenho e se tornou um guia estratégico para negócios que visam a sustentabilidade a longo prazo.

Uma pesquisa da Confederação Nacional das Indústrias (CNI) destaca os principais motivos para a incorporação do ESG no cerne das operações empresariais, incluindo o fortalecimento das relações com partes interessadas (44%), a gestão sustentável de recursos naturais (39%), aprimoramento na gestão de riscos (36%), aumento da competitividade (33%) e conformidade legal (28%).

A interação entre ESG e tecnologia tem sido fundamental nesse processo. A capacidade de coletar e analisar dados ambientais por meio de tecnologias como IoT (Internet das Coisas) e big data tem permitido às empresas não apenas monitorar, mas aprimorar seu impacto ambiental. Essas tecnologias possibilitam uma gestão mais eficiente de recursos, a redução de desperdícios e a mitigação de impactos negativos no meio ambiente.

No aspecto social, a tecnologia tem papel crucial na promoção da inclusão e diversidade. Plataformas digitais oferecem novas oportunidades de emprego a grupos historicamente marginalizados e as redes sociais amplificam vozes que antes eram pouco ouvidas. É essencial, porém, que o desenvolvimento e a aplicação dessas tecnologias sejam feitos de maneira ética e inclusiva.

Em termos de governança, ferramentas como o blockchain proporcionam uma transparência sem precedentes, oferecendo registros imutáveis que aumentam a confiança e diminuem as chances de corrupção. Paralelamente, a inteligência artificial pode automatizar processos de conformidade e identificar fraudes, assegurando que as empresas mantenham elevados padrões éticos e legais.

Embora o caminho para a implementação efetiva dos princípios ESG possa parecer complexo, exigindo uma fusão entre tecnologia, mudança cultural e políticas internas, as empresas devem se dedicar à colaboração e transparência. Envolvendo todas as partes interessadas na definição de objetivos e estratégias ESG, as organizações abrem portas para um futuro corporativo mais sustentável e responsável.

Estamos, portanto, diante de uma oportunidade única de liderar uma transformação em direção a práticas de negócios mais sustentáveis, justas e inclusivas, promovendo não apenas o crescimento econômico, mas também contribuindo significativamente para a construção de um futuro melhor para todos.

Publicado em Deixe um comentário

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA EMPRESAS BRASILEIRAS

O avanço tecnológico tem sido um ponto importante para aprimorar a eficiência do sistema judiciário brasileiro, especialmente no que diz respeito ao ambiente empresarial. A introdução do Domicílio Judicial Eletrônico (DJE), como parte do Programa Justiça 4.0, representa uma mudança significativa nesse cenário. Esta ferramenta, centralizando as comunicações de processos de todos os tribunais brasileiros em uma plataforma digital unificada, não apenas marca uma virada rumo à eficiência processual, mas também apresenta desafios e oportunidades sem precedentes para as empresas.

Desde o anúncio pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de que grandes e médias empresas devem se registrar no DJE, o assunto tem ganhado destaque. Este prazo para a adequação voluntária não é apenas uma questão temporal, mas uma oportunidade para as empresas se adaptarem à era digital.

Com a citação eletrônica se tornando o meio exclusivo de comunicação nos trâmites judiciais, é necessário uma reavaliação completa das estratégias de gestão processual das empresas, além de um investimento em capacitação tecnológica. O não cumprimento dos prazos estabelecidos pelo DJE pode resultar em severas penalidades e prejuízos processuais.

No entanto, mais do que focar nas consequências negativas, é importante destacar o potencial de otimização de processos e redução de custos que a adesão ao DJE oferece. Além disso, essa mudança representa uma oportunidade para alinhar-se às melhores práticas globais de gestão judicial eletrônica, promovendo transparência, acessibilidade e efetividade da Justiça.

O momento atual é um convite ao engajamento com as tecnologias que estão redefinindo o futuro do direito e da gestão empresarial. Adaptar-se a essa nova realidade não é apenas uma necessidade, mas uma estratégia essencial para prosperar no ambiente de negócios cada vez mais digital.

O advento do DJE não é apenas um marco tecnológico, mas um catalisador para uma mudança cultural profunda no Poder Judiciário e no cenário empresarial brasileiro. Este é o momento para as empresas se reimaginarem na era digital e liderarem o caminho para um futuro mais ágil, transparente e justo.