Publicado em Deixe um comentário

BIG TECHS FIRMAM ACORDO PARA SEGURANÇA DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Acordo Global de Segurança para Inteligência Artificial

Recentemente, líderes das maiores empresas de tecnologia do mundo se reuniram na Cúpula de Segurança da IA em Seul para discutir um importante acordo internacional. A cúpula reuniu empresas de destaque como a Microsoft, Amazon e OpenAI, com o objetivo de formular diretrizes que garantam a segurança no desenvolvimento e uso da inteligência artificial.

Cooperação Global pela Segurança da IA

O pacto firmado durante a cúpula conta com o apoio de grandes potências globais, incluindo Estados Unidos, China, Canadá, Reino Unido, França, Coreia do Sul e Emirados Árabes Unidos. Este acordo busca estabelecer práticas seguras para o desenvolvimento das tecnologias de IA mais avançadas, criando um ambiente onde a inovação tecnológica não comprometa a segurança global.

Estrutura de Segurança e Linhas Vermelhas

Entre as principais medidas do acordo está a criação de frameworks de segurança para desenvolvedores de IA. Estes frameworks são essenciais para medir e enfrentar desafios, estabelecendo “linhas vermelhas” para riscos considerados intoleráveis, como ciberataques automatizados e a produção de armas biológicas. A ideia é que estas diretrizes fortaleçam a segurança contra as ameaças mais graves que podem surgir com o avanço da IA.

Mecanismo de Interrupção de Emergência

Uma das propostas mais discutidas durante a cúpula foi a criação de um “botão de pânico”. Este mecanismo permitirá a interrupção instantânea do desenvolvimento de modelos de IA caso os riscos associados não sejam mitigados de maneira eficaz. Esta medida visa garantir que, em situações de emergência, as empresas possam rapidamente cessar operações potencialmente perigosas.

Transparência e Prestação de Contas

Além das medidas de segurança, o acordo enfatiza a necessidade de transparência e prestação de contas por parte das empresas que desenvolvem IA. A transparência é vista como um pilar fundamental para a construção de confiança entre desenvolvedores, reguladores e o público em geral.

O acordo firmado na Cúpula de Segurança da IA marca a primeira vez que lideranças de diferentes partes do mundo concordam com princípios comuns de segurança para a inteligência artificial. Este marco histórico reflete um esforço conjunto para garantir que o desenvolvimento da IA siga diretrizes seguras e responsáveis, prevenindo possíveis abusos e promovendo um futuro mais seguro para todos.

Assim, a colaboração internacional e o compromisso das big techs em seguir práticas seguras no desenvolvimento da IA representam um passo significativo para a construção de um ambiente tecnológico mais seguro e confiável.

Publicado em Deixe um comentário

COBRANÇA DE WHATSAPP PELAS OPERADORAS: UM DEBATE LEGAL E REGULATÓRIO EM CRESCIMENTO

A questão da possível cobrança pelo uso de aplicativos como o WhatsApp pelas operadoras de telefonia tem gerado muitos debates, onde várias considerações legais e princípios fundamentais estão em jogo. Um especialista em Direito Digital e Proteção de Dados do escritório Godke Advogados, traz à tona importantes perspectivas nesse cenário.

Ele destaca que a retirada do WhatsApp de um plano de dados previamente acordado com o cliente pode ser interpretada como uma alteração unilateral e prejudicial ao contrato de prestação de serviços de telecomunicações, o que, segundo ele, é vedado pelo Código de Defesa do Consumidor. Isso abre espaço para considerar essa ação das operadoras como uma prática abusiva, conforme estabelecido pela legislação.

O princípio da neutralidade da rede, consagrado no Marco Civil da Internet, também se torna um ponto central nesse debate. Ele estabelece que os provedores de conexão à internet não podem discriminar o tráfego de dados com base no conteúdo, origem ou destino. Além disso, o acesso à internet é considerado essencial para o exercício da cidadania, e qualquer medida que restrinja o acesso dos usuários à internet deve ser tomada de forma excepcional e de acordo com a lei.

O especialista argumenta que embora possam existir diferentes modelos de cobrança para o WhatsApp, tais medidas correm o risco de enfrentar desafios legais. Por exemplo, as operadoras poderiam optar por cobrar com base no consumo de dados ou estabelecer uma taxa fixa, porém, isso poderia ser visto como anticompetitivo e estar sujeito a escrutínio regulatório.

As operadoras argumentam que as grandes empresas de tecnologia não estão investindo o suficiente na infraestrutura das redes, considerando o crescente tráfego de dados. No entanto, é destacado que a responsabilidade de investir em infraestrutura de rede também recai sobre as operadoras.

Embates entre as operadoras de telefonia e as gigantes da tecnologia são previsíveis para os próximos anos. Alguns especialistas sugerem que isso poderia levar as grandes empresas de tecnologia a construírem suas próprias redes, mas essa é uma empreitada complexa e dispendiosa. Geralmente, essas empresas preferem estabelecer parcerias com operadoras de telecomunicações para fornecer seus serviços.

Para os consumidores, aconselha-se estar ciente de seus direitos e acompanhar as mudanças nos termos e condições dos serviços que contratam. Caso uma operadora decida alterar as regras do jogo no meio do contrato, os consumidores podem considerar a possibilidade de entrar em contato com as autoridades regulatórias, como a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), para proteger seus interesses.

Nesse contexto de mudanças e desafios na indústria de telecomunicações e tecnologia, é necessário que os consumidores estejam bem informados e preparados para defender seus direitos e interesses.