Publicado em Deixe um comentário

A REVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO DIGITAL NO BRASIL

A mudança digital na educação está chegando rapidamente, especialmente depois que a Política Nacional de Educação Digital (PNED) foi aprovada em janeiro de 2023. Isso abre um novo caminho para a Educação Básica no Brasil, começando em 2024. Esta política pioneira visa integrar a tecnologia de maneira abrangente e inovadora nos currículos escolares, promovendo uma transformação significativa na maneira como os estudantes interagem com o conhecimento.

À luz da PNED, as escolas são encorajadas a adotar um currículo que não apenas inclua, mas também valorize a educação digital, abrangendo áreas como robótica e os princípios fundamentais da computação. Este movimento não só visa estimular o pensamento crítico e a criatividade entre os alunos, mas também busca cultivar uma compreensão ética e responsável sobre a cultura digital. Com essas mudanças, a educação brasileira se prepara para enfrentar os desafios e oportunidades do século XXI, enfatizando a importância da cibersegurança e a conscientização sobre o cyberbullying.

Implementar a PNED efetivamente requer uma abordagem holística, começando com a infraestrutura tecnológica necessária para suportar um ambiente de aprendizagem digital. A disponibilidade de dispositivos atualizados e acesso confiável à internet de alta velocidade é fundamental. Este suporte tecnológico permite uma imersão direta e prática no mundo da computação, essencial para a compreensão dos seus conceitos fundamentais.

Além da infraestrutura, a formação e o desenvolvimento contínuo dos professores são importantes. Os educadores precisam não só ser proficientes no uso da tecnologia, mas também capazes de integrá-la ao currículo de maneira pedagogicamente sólida. Isso exige uma formação especializada, garantindo que a ciência da computação seja vista não apenas como uma ferramenta de ensino, mas como um campo de estudo valioso por si só.

A escolha de metodologias de ensino adequadas é igualmente importante. Estas devem ser desenhadas para cultivar habilidades específicas e garantir que todos os alunos, independentemente do seu nível de letramento digital, possam compreender e aplicar o conhecimento adquirido. Além disso, é vital promover uma utilização segura da tecnologia, oferecendo orientações claras sobre proteção de dados e o respeito pelas leis digitais.

Incentivar a liderança e a criatividade através de metodologias ativas, como projetos de tecnologia digital, programação e robótica, complementadas por técnicas de gamificação, é essencial para desenvolver competências críticas e inovadoras nos alunos. Estas abordagens não só preparam os estudantes para os desafios tecnológicos do futuro, mas também os incentivam a aplicar esses conhecimentos em situações cotidianas, promovendo uma compreensão mais profunda do papel da tecnologia na sociedade moderna.

A implementação da PNED representa um passo significativo em direção a uma educação que prepara os alunos não apenas para enfrentar o mundo digital de hoje, mas também para moldar o de amanhã. Com a combinação certa de recursos tecnológicos, formação docente, metodologias inovadoras e uma abordagem focada na segurança, as escolas brasileiras estão no caminho certo para transformar a educação digital em uma realidade enriquecedora e inclusiva.

Publicado em Deixe um comentário

COLETA DE DADOS EM SITES EDUCACIONAIS: INVESTIGAÇÃO REVELA PRÁTICAS DE VIGILÂNCIA

Recentemente, a Human Rights Watch (HRW) divulgou um relatório detalhando a coleta de dados pessoais de crianças e adolescentes em sites educacionais mantidos pelas Secretarias de Educação de Minas Gerais e São Paulo. A investigação, que teve início em novembro de 2022, revelou que esses sites estavam não apenas monitorando os alunos durante as aulas virtuais, mas também rastreando suas atividades de navegação na internet fora do horário escolar.

Os sites em questão incluem o Estude em Casa, pertencente ao governo de Minas Gerais, e o Centro de Mídias da Educação de São Paulo. Além disso, o site Escola Mais, que ofereceu conteúdo recomendado pela Secretaria de Educação de São Paulo durante a pandemia da Covid-19, também foi identificado como realizando práticas de rastreamento de dados. O relatório da HRW apontou que esses sites, com exceção do Revisa Enem, enviavam dados pessoais dos estudantes para empresas de tecnologia de publicidade entre os anos de 2021 e 2023.

A técnica de rastreamento usada pelo site Escola Mais permitia registrar o comportamento dos usuários, incluindo os cliques feitos pelos estudantes. O relatório também destacou que o Centro de Mídias da Educação de São Paulo compartilhava dados de usuários com duas empresas terceirizadas, usando quatro rastreadores de anúncios. No entanto, a Secretaria de Educação de São Paulo afirmou que o tratamento de dados era reduzido ao necessário para fins educacionais e que mecanismos de segurança, em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), eram empregados para garantir a privacidade das informações pessoais.

Tanto o Estude em Casa quanto o Centro de Mídias da Educação de São Paulo foram criticados por não informar adequadamente os estudantes e suas famílias sobre a coleta de dados e a vigilância online. A HRW ressaltou que essas práticas vão contra o princípio de proteger crianças e adolescentes, permitindo que terceiros vigiem e coletem suas informações pessoais.

As empresas Explicaê e Descomplica responderam às alegações da HRW, negando qualquer compartilhamento de dados pessoais com terceiros. Elas afirmaram que os dados coletados eram usados exclusivamente para melhorar a experiência de aprendizagem dos alunos e que a privacidade dos usuários era inegociável.

No entanto, a Stoodi, empresa também mencionada no relatório, reconheceu anteriormente as conclusões da HRW, afirmando que o tratamento dos dados visava aprimorar a experiência do usuário e permitir ações comerciais. A empresa não respondeu após o envio das evidências pela HRW.

O relatório da HRW destaca a importância de garantir a privacidade e a segurança dos dados pessoais dos alunos em ambientes educacionais online. O episódio levanta questões sobre a transparência das práticas de coleta de dados, a proteção da privacidade dos estudantes e o cumprimento das leis de proteção de dados. Em resposta à investigação, as Secretarias de Educação de Minas Gerais e São Paulo prometeram medidas para proteger a privacidade dos alunos e revisar seus sistemas para evitar violações futuras.