Publicado em Deixe um comentário

BRASIL ADOTA BLOCKCHAIN PARA TRANSPARÊNCIA E RAPIDEZ

Em uma evolução tecnológica significativa para o sistema de doação de órgãos no Brasil, o Conselho Federal do Colégio Notarial do Brasil (CNB/CF) anunciou a implementação de uma nova plataforma baseada na tecnologia blockchain. Este avanço visa fortalecer a integridade e a confiabilidade das informações registradas, além de otimizar a eficiência na localização de dados relevantes. A partir de abril, o lançamento oficial da Central Nacional de Doação de Órgãos marcará o início dessa nova era, promovendo uma solução online integrada ao e-Notariado para aprimorar o registro e a conservação dos desejos de cidadãos interessados em doar seus órgãos postumamente.

A cerimônia de inauguração da plataforma está prevista para 2 de abril, às 14h30, com transmissão ao vivo pelo YouTube, seguida de uma sessão informativa ao vivo às 18h. Esta sessão explicará os aspectos técnicos da Central e formalizará a primeira Autorização Eletrônica de Doação de Órgãos do país, marcando um momento histórico para a sociedade brasileira.

O e-Notariado, um pilar central deste sistema, é uma plataforma digital supervisionada pelo Colégio Notarial do Brasil, facilitando o acesso dos cidadãos aos serviços notariais. Uma característica inovadora dentro dessa plataforma é a Notarchain, uma blockchain própria desenvolvida sobre a Hyperledger Fabric, destinada exclusivamente aos notários. Esta rede permissionada assegura que cada cartório de notas funcione como um nó de validação, mantendo a integridade e a autenticidade dos documentos e transações realizadas.

No contexto brasileiro, a doação de órgãos é um processo estritamente voluntário, exigindo que todas as informações dos doadores sejam tratadas com a máxima segurança e privacidade. O Sistema Nacional de Transplantes coordena meticulosamente este processo desde a identificação da morte encefálica do doador até a seleção do receptor do órgão, baseando-se em critérios rigorosos para assegurar a justa distribuição.

A adoção da blockchain no gerenciamento de dados de doação de órgãos representa um marco importante. Além de reforçar a proteção das informações privadas dos envolvidos, esta tecnologia promete simplificar a conexão entre doadores e receptores, estabelecendo uma rede segura e infalível. Esse avanço não apenas eleva o padrão de segurança na gestão de dados sensíveis, mas também promete melhorar significativamente a eficácia e a transparência do sistema de doações de órgãos no Brasil.

Publicado em Deixe um comentário

ESTRATÉGIAS DE CIBERSEGURANÇA E IA PARA A PROTEÇÃO DO PACIENTE

A evolução da inteligência artificial (IA) tem trazido inovações significativas para o setor da saúde, oferecendo novas possibilidades para diagnósticos, tratamentos e gestão hospitalar. No entanto, a segurança dos dados dos pacientes emerge como uma preocupação central neste cenário de transformação digital. Incidentes internacionais onde instituições de saúde foram paralisadas por ataques cibernéticos evidenciam a vulnerabilidade do setor. Em um levantamento recente, foi destacado que uma organização de saúde no Brasil sofreu, em média, 1.800 ataques semanais em um determinado período, demonstrando a intensidade e a frequência desses desafios.

Embora a maioria das entidades de saúde brasileiras adote soluções básicas de segurança, como antivírus, a implementação de medidas mais robustas, como a autenticação de dois fatores, ainda é insuficiente. Essa lacuna na segurança cibernética coloca o setor de saúde como um dos principais alvos para ataques digitais, atrás apenas de áreas como Educação e Pesquisa, Governo e Militar. Os ransomwares representam a maioria desses ataques, evidenciando a necessidade de um foco redobrado na proteção de dados sensíveis, como prontuários e históricos de pacientes.

A confidencialidade dos dados de saúde é essencial, abrangendo uma vasta gama de informações pessoais e médicas. Diante desse panorama, surge a necessidade de desenvolver estratégias e tecnologias que permitam a IA contribuir efetivamente para a cibersegurança na saúde. A adoção de sistemas avançados de segurança de dados ainda é limitada, concentrando-se majoritariamente em hospitais de grande porte e com maior acesso a recursos tecnológicos. Essa realidade aponta para a importância de ampliar o conhecimento e a implementação de soluções de IA entre os gestores de saúde, democratizando o acesso a tecnologias que possam reforçar a segurança dos dados.

Uma das abordagens identificadas é o uso da IA Generativa, capaz de criar conteúdos diversos a partir de comandos em linguagem natural. Essa tecnologia representa um potencial para melhorar os resultados em saúde, desde que acompanhada de uma adaptação estratégica dos negócios do setor. Além disso, a adoção de marcos regulatórios como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) no Brasil, que estabelece diretrizes claras sobre o tratamento de dados pessoais, incluindo os de saúde, reforça o compromisso com a privacidade e a segurança das informações dos pacientes. Esse quadro regulatório exige que todas as informações coletadas sejam justificadas e transparentes aos cidadãos, estabelecendo um novo paradigma na gestão de dados de saúde.

É importante que profissionais e administradores do setor de saúde se mantenham sempre informados sobre práticas avançadas em cibersegurança e inovações em inteligência artificial. A integração efetiva entre avanços tecnológicos, normas regulatórias e estratégias de gestão em saúde é vital para assegurar a proteção das informações dos pacientes. Este esforço conjunto não só eleva a qualidade dos serviços de saúde, mas também fortalece a confiança da população em entidades de saúde que adotam tecnologias de ponta.

Publicado em Deixe um comentário

CERTIFICAÇÃO DIGITAL: A CHAVE PARA A CONFORMIDADE COM A LGPD NA SAÚDE

A entrada em vigor da LGPD no Brasil em setembro de 2020 marcou um ponto importante na área da saúde, trazendo consigo desafios complexos e oportunidades promissoras, especialmente quando se trata da gestão de informações sensíveis de pacientes. Nesse contexto, destacam-se tendências essenciais que têm ganhado relevância, notadamente a integração da inteligência artificial e a ampla adoção da computação em nuvem.

O Cenário da LGPD na Área da Saúde A área da saúde lida com informações altamente sensíveis, abrangendo dados clínicos, genômicos e pessoais dos pacientes. A LGPD estabelece um conjunto rigoroso de regras para garantir a proteção e a privacidade desses dados, com requisitos que impactam diretamente a coleta, o armazenamento e o compartilhamento de informações médicas.

O Papel Fundamental da Inteligência Artificial A aplicação da inteligência artificial no campo da saúde é ampla e multifacetada. Da análise de imagens médicas à geração de diagnósticos e tratamentos personalizados, a IA desempenha um papel fundamental. No contexto da LGPD, a IA pode ser empregada para automatizar a anonimização de dados sensíveis, assegurando que a identidade dos pacientes seja preservada em informações clínicas compartilhadas.

Além disso, a IA desempenha um papel crítico na detecção de violações de segurança de dados. Algoritmos de aprendizado de máquina podem monitorar o tráfego de informações em tempo real, identificando atividades suspeitas e notificando imediatamente as equipes de segurança, contribuindo para o cumprimento da LGPD.

A Computação em Nuvem e sua Relevância para a LGPD A adoção da computação em nuvem está se destacando devido à sua capacidade de reforçar a segurança e a conformidade com a LGPD. A migração de sistemas e dados para ambientes de nuvem permite que as instituições de saúde estabeleçam backups regulares, redundância e criptografia robusta, elementos cruciais para a proteção de informações sensíveis.

A computação em nuvem também oferece escalabilidade e flexibilidade, características essenciais no contexto da saúde, onde o volume de dados continua a crescer exponencialmente. A capacidade de ajustar os recursos conforme a demanda pode ser uma vantagem para as instituições que buscam manter a conformidade com a LGPD.

Desafios e Considerações Éticas A LGPD trouxe mudanças significativas na maneira como a área da saúde lida com dados sensíveis dos pacientes, impondo padrões mais rígidos de proteção e privacidade. A integração da inteligência artificial e da computação em nuvem emerge como uma tendência crucial para atender a essas regulamentações e aprimorar a qualidade do atendimento.

No entanto, é fundamental destacar que, ao adotar essas tecnologias, as instituições de saúde devem fazê-lo de maneira ética e transparente, respeitando estritamente os direitos dos pacientes. A conformidade com a LGPD na área da saúde vai além do cumprimento da lei; também se trata de construir confiança e garantir a segurança dos pacientes, estabelecendo uma base sólida para o futuro da assistência médica no Brasil.